quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Para sempre a estrela Elis

1962, palco do Cine Castelo, Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Final do programa de auditório Maurício Sobrinho, da Rádio Gaúcha. As luzes se acendem sobre a grande atração daquela manhã: a estrelinha Elis Regina. Baixinha, meio desajeitada, ela vacila num repertório de versões um pouco na linha de Celi Campelo, com algumas tímidas incursões pela música brasileira. Mas a voz-clara, forte, afinadíssima empolga a platéia. Todos comentam: 'Essa menina precisa sair daqui'.
E ela saiu. Meio no braço, como era seu jeito. Saiu para gravar um primeiro disco, VIVA A BROTOLÂNDIA, ainda com resquícios do modelo 'jovem' americanizado. Saiu para passar trabalho no Beco das Garrafas, para agitar os braços ao som de Arrastão, nos festivais da vida, para comandar O Fino Da Bossa, para brigar com todo mundo, ficar mal-falada e bem-amada, para casar, descasar, ter filhos, abrir a boca e falar sem medo, assumir seus falsos brilhantes e aperfeiçoar ainda mais aquela voz-clara, forte, afinadíssima. Como se fosse um instrumento musical, não apenas uma garganta humana deitando e rolando debochada em qua-qua-ra-qua-quás ou gemendo baixinho, atrás da porta. No riso na dor, furacão Elis levantou vôo daquele cineminha de bairro e foi sobrevoar o país com os braços girando sem parar. "Elis-cóptero", como a chamava Rita Lee.
E vinte anos depois daquela manhã de domingo, com as ruas de São Paulo apinhadas do povo que acompanhou seu enterro cantando os versos de O BêBado e a Equilibrista, nesta outra manhã recente em que Elis partia - alguns no meio daquela multidão espantada e comovida comentavam, como naquela manhã antiga, que essa menina - ah, essa mulher - precisava sair daqui. Deste planeta que, tão freqüentemente, parece não comportar a sensibilidade. Mas a multidão inteira que cantava e chorava, nesta outra manhã, sabia inteira que Elis Regina, tinha virado para sempre uma estrela, como ela queria. Não uma estrela qualquer, mas a mais luminosa de toda a música popular brasileira. E nas manhãs, nas tardes e nas noites dos muitos anos seguintes, quando sua voz brotasse do regente dos rádios ou dos velhos discos, esses todos saberiam que Elis vive. Para sempre.

5 comentários:

Maíra Cunha disse...

Ficaria muito grata se me visitasse,siga se gostar:
http:/fazdecontatxt.blogspot.com
Sucesso!!!!!!!!!

Renata disse...

Oiii, adorei o seu blog,eu adoro os textos do Caio e já estou seguindo o blog, visita o meu log e se gostar , me segue, ficarei muito feliz, bjo

http://toquaseprontaprasair.blogspot.com/

herry tan disse...

nice topic n nice blog..

if u have time visit n follow my blog
herry-tan.blogspot.com.. thanks

Danny disse...

Que blog invrivel, amei, seguindo :D http://meeninamulheer.blogspot.com.br/

Larissa Canziani disse...

adorei, parabéns pelo seu blog, e por sua dedicação.
Aguardo a sua visitinha, e fica ligada nos sorteios,
tenho certeza que tu irás gostar dos produtos *---*
beijos, http://larissacanziani.blogspot.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...